LBS Advogados - Loguercio - Beiro - Surian

Julgamento da ADI nº 5.766 é novamente adiado: acesso à Justiça do Trabalho na berlinda
< Artigos

Estava pautada para a sessão plenária do Supremo Tribunal Federal de hoje, dia 7 de outubro de 2021, a continuação do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5.766, que discute a constitucionalidade de dispositivos da Lei nº 13.467/2017 relativos ao acesso de pessoas pobres à Justiça do Trabalho e à responsabilidade pelo pagamento dos custos do processo. A questão controvertida é específica: a efetividade do benefício da justiça gratuita ante os limites impostos pela “Reforma Trabalhista”.

 

Os dispositivos impugnados pela ação permitem, por exemplo, o pagamento de honorários periciais e advocatícios de sucumbência pelo beneficiário da justiça gratuita e utilização de créditos obtidos, ainda que em outro processo, para esse fim.

 

O julgamento está empatado, em 1 x 1.

 

Relembre o caso

 

Ajuizada a ADI em 2017, na sessão plenária do dia 9 de maio de 2018, após a leitura do relatório, quando então várias centrais sindicais posicionaram-se pela inconstitucionalidade dos dispositivos da reforma trabalhista impugnados — dentre as quais a Central Única dos Trabalhadores (CUT) —, o seu  julgamento foi suspenso.  Retomado no dia seguinte, 10 de maio de 2018, o Relator votou pela procedência parcial da ação, conforme as seguintes teses:

 

1. O direito à gratuidade de justiça pode ser regulado de forma a desincentivar a litigância abusiva, inclusive por meio da cobrança de custas e de honorários a seus beneficiários.

 

2. A cobrança de honorários sucumbenciais do hipossuficiente poderá incidir:

 

(i) sobre verbas não alimentares, a exemplo de indenizações por danos morais, em sua integralidade; e

 

(ii) sobre o percentual de até 30% do valor que exceder ao teto do Regime Geral de Previdência Social, mesmo quando pertinente a verbas remuneratórias.

 

3. É legítima a cobrança de custas judiciais, em razão da ausência do reclamante à audiência, mediante prévia intimação pessoal para que tenha a oportunidade de justificar o não comparecimento”.

 

Nessa sessão, o Min. Edson Fachin divergiu e votou pela total procedência da ação. Ressaltou que “a gratuidade da Justiça apresenta-se como um pressuposto para o exercício do direito fundamental ao acesso à própria Justiça”.    O julgamento, então foi suspenso, por pedido de vista do Min. Luiz Fux.

 

O julgamento foi pautado para o dia 13/10.

 

Para saber mais, acesse: https://www.lbs.adv.br/artigo/o-acesso-a-justica-do-trabalho-na-berlinda.

 

Brasília, 7 de outubro de 2021.

 

 

 

Antonio Fernando Megale Lopes

Antonio Fernando Megale Lopes

Sócio, Direito Sindical, Direito Coletivo do Trabalho E-mail: antonio.megale@lbs.adv.br
Ricardo Quintas Carneiro

Ricardo Quintas Carneiro

Sócio, Direito do Trabalho, Direito Sindical, Direito Coletivo do Trabalho, Direito dos Bancários E-mail: ricardo.carneiro@lbs.adv.br

Últimos artigos